Uma proposta de Design Livre

Por estar envolvido com as comunidades que pretendem utilizar softwares livres na área de criação, vejo que a imersão dessas comunidades nos conceitos de construção do design seguem comumente num equívoco de interpretação. A proposta colaborativa trazida no desenvolvimento dos softwares livres não consegue inspirar essas comunidades na questão do design devido a falta de compreensão do processo. Normalmente essas comunidades chamam de “design livre” o ato de disponibilizar arquivos vetoriais para que outros possam alterar logos, layouts ou ilustrações como queiram.

O resultado disso é percebido quando vemos que um dos maiores problemas do software livre está justamente no projeto gráfico e de interface, onde é comum encontrarmos pouco refinamento, iconografia inadequada ou problemas de usabilidade. A falta de profissionais com conhecimentos conceituais trabalhando com softwares livres foi inclusive um dos argumentos usados pela Canonical para justificar a contratação de um studio de design para a construção do novo brand do Ubuntu, distribuição mais popular do Gnu/Linux.

Como já argumentei outras vezes, considero que o design é muito mais um projeto do que uma ilustração, e que compreender os processos de construção desse projeto é muito diferente de apenas possuir conhecimentos na manipulação de uma software, como acreditam diversos aspirantes a profissionais ou como vendem algumas escolas com seus cursos mágicos de design baseados no Photoshop. O fato é que, saber como uma ferramenta funciona não significa que você saiba o que fazer com ela.

Percebendo essas questões é que o pessoal do instituto Faber-Ludens vêm discutindo já a um certo tempo uma proposta de design livre. A ideia consiste em que todos os processos e metodologias utilizadas no projeto de design sejam compartilhadas, e com isso discussões sobre ferramentas utilizadas, etapas do projeto, organização das tarefas e outros elementos envolvidos no processo fiquem abertas à participação e documentadas para consulta ou reprodução em outros projetos.

O Design Centrado no Usuário tem o sujeito fora do processo, dentro das pesquisas, como objeto de estudo. O Design Participativo tem o usuário do produto colaborando no desenvolvimento do projeto, já pode-se ouvir sua voz, seus pitacos, suas impressões. No Design Livre tem-se a superposição do indivíduo no processo. A mediação interpretativa desaparece. O indivíduo é livre para pesquisar, projetar, desenvolver, buscar mais informações e pedir ajuda no momento que quiser. O projeto é legítimo e a autonomia é praticada, desalienando o trabalho.

Assim sendo, os processos e metodologias usadas na construção do projeto de design ganham uma proposta similar a que temos hoje no código dos softwares livres e seus processos de desenvolvimento. Existe inclusive uma proposta de liberdades fundamentais, seguindo o mesmo modelo das quatro liberdades fundamentais do software livre, escritas por Richard Stallman:

  1. A liberdade de aprender a usar. Independente de um uso proposto ou esperado no projeto aberto que for consultado.
  2. A liberdade de estudar e reproduzir o processo que gerou o produto. Consultar a documentação das decisões de design, os arquivos-fonte.
  3. A liberdade de colaborar com o processo, inclusive modificando o mesmo. Alterar qualquer parte de um processo,
  4. A liberdade de aprender a fazer. E produzir e reproduzir.

Proliferando essa discussão, o Rodrigo Gonzatto, Publicitário e Pós-Graduando em Design de Interação pelo Instituto Faber-Ludens, ministrou a palestra “Design Livre e Colaborativo orientado à Inovação”, durante o evento iMasters InterCon, que aconteceu no WTC Convention Center nos dias 19 e 20 de novembro de 2010. Abaixo, segue o vídeo da palestra.

http://embed.videolog.tv/v/index.php?id_video=638585&related=&hd=&color1=&color2=&color3=&slideshow=true&config_url=&

A proposta de design livre que o instituto Faber-Ludens vem maturando casa perfeitamente com minhas expectativas sobre o compartilhamento dos processos envolvidos no design. Mas ainda é apenas uma proposta, que necessita de maior colaboração e discussão para a sua evolução, principalmente das comunidades que tem como proposta trabalhar com softwares livres na área de design, podendo assim contribuir também para a evolução desses softwares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima