Algumas questões sobre o HTML5

O Hypertext Markup Language é a base da estrutura da Web. Sua última versão lançada é o HTML4.01, que teve sua recomendação aprovada no final de 1999 pela W3C. Porém já faz algum tempo que a nova versão da linguagem, o HTML5, vem causando certa expectativa no mercado, e já vem sendo utilizado por muitos desenvolvedores e empresas de tecnologia.

Será que já é hora de adotarmos o HTML5 em nossos projetos?

A evolução Semântica do HTML5

Além das novas API’s, suporte multimídia, aprimoramento do uso off-line e melhor depuração de erros, a maior evolução que temos hoje no HTML5 é a Semântica, que diz respeito ao significado das marcações. Na atual versão do HTML não temos um padrão que determine exatamente os tipos de informação que colocamos em cada parte do documento. Os navegadores e buscadores não podem distinguir que uma determinada área da página é um cabeçalho, um rodapé, um menu ou um artigo, por exemplo. Dessa forma os desenvolvedores acabavam criando o seu próprio padrão de nomenclatura através de identificadores e classes.

As novas marcações do HTML5 não terão uma visualização diferente da marcação <div>, porém elas trarão um valor semântico. Dessa forma, para identificar um cabeçalho, podemos usar <header> ao inves de <div id=”header”>. Essa padronização será usada por todos os desenvolvedores, e entendida por todos os navegadores, buscadores e sistemas informacionais, e facilitará a indexação dos dados e a troca de informações pelas diferentes aplicações na Web.

A falta de consenso sobre os codecs

Algo que vem causando grande euforia sobre a nova versão da linguagem, e que é um dos pontos altos do HTML5, é o suporte nativo a recursos multimídia (áudio e vídeo) sem a necessidade de instalação de plugins no navegador. Mas ao mesmo tempo existe uma falta de consenso sobre qual codec deve ser usado para esses novos recursos.

Enquanto a W3C recomenda o uso do codec Theora por ser um padrão aberto, outras empresas vem utilizando o codec proprietário H.264 em seus navegadores. Dessa forma, temos os navegadores Firefox e Opera usando um padrão aberto, e os navegadoes Safari e Internet Explorer usando um padrão proprietário, e por isso nenhum padrão está definido para os desenvolvedores. Apesar do Chrome suportar ambos os codecs, o Google vem usando o H.264 no seu protótipo do YouTube em HTML5, além de ter adquirido e liberado o codec VP8E sob código aberto, como parte do projeto WebM.

O HTML5 será o fim do Flash?

O Flash vem assegurando seu espaço no mercado principalmente pela sua utilização em vídeos, banners, hotsites ou advergames. Porém ele vem deixando gradativamente de ser a ferramenta preferida de muitos desenvolvedores e empresas por vários motivos, como o tempo de carregamento, falta de acessibilidade ou problemas de travamento com plugins. Muitos apostam que os novos recursos do HTML5 (como a nova API para desenvolvimento de gráficos bidimensionais e a possibilidade de criar aplicações RIA) podem ser uma sentença de morte para o Flash.

Eu acredito que não é o lançamento do HTML5 que fará com que empresas e desenvolvedores abandonarem o Flash. Pelo contrário, acredito que os novos recursos que o HTML5 trás fazem parte dessa ânsia do mercado por uma alternativa ao Flash que seja mais alinhada com os rumos que a Web vem tomando: mais semântica e acessível. Com a evolução de bibliotecas Javascript como o JQuery, e com as possibilidades que nos trará a nova versão do CSS3, acredito sim que o HTML5 possa ser uma alternativa ao Flash, mas não a curto prazo. Ainda é muito mais prático e rápido criar uma animação em Flash do que utilizando HTML/CSS/Javascript, e boa parte das agências e desenvolvedores tende ao mais cômodo.

Mesmo afirmando que o Flash é insubstituível, a Adobe já demonstrou publicamente uma preocupação com o HTML5, chegando a afirmar que os seus clientes estão sendo persuadidos por outras empresas a usar tecnologias alternativas ao Flash, principalmente pela Apple usar HTML5 em vez do Flash em seus aparelhos (iPhone, iPod Touch e iPad). Alguns rumores já acusaram a Adobe de tentar sabotar o progresso da linguagem através da sua atuação na aprovação dos padrões junto a W3C.

Já está na hora de usar o HTML5?

Apesar de versões mais antigas de alguns navegadores bastante usados (leia-se IE7 e IE8) ainda não suportarem o HTML5, é possível contornar esse problema com o uso de scripts como o Modernizr, além de as últimas versões de praticamente todos os navegadores já suportam as novas marcações. Mesmo que o HTML5 ainda não seja uma recomendação definitiva (coisa que está prevista para acontecer apenas em 2012), nada nos impede de começar a estudar seus novos recursos, fazer testes e até mesmo implementar em nossos projetos. Os grandes nomes do mercado de tecnologia já vêm disponibilizando os seus protótipos experimentais e suas páginas utilizando a nova versão, e isso é de grande valia. O mercado e os profissionais já devem ir se preparando, e preparando os usuários.

A quantidade de informações que podemos encontrar na Web já é bastante grande, basta fazer uma busca. Para referência sobre todas as marcações do HTML5 recomendo acessar o site da W3C, e para ter acesso aos canais de participação dos grupos de trabalho da W3C, basta acessar http://www.whatwg.org.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima